CANAL DE SÃO ROQUE

CANAL DE SÃO ROQUE

Foto de Gabriel Pereira




quarta-feira, 30 de abril de 2014

REBANHO ALINHADO



Imagem retirada da Net




REBANHO ALINHADO
Carlos Pereira
 
Carneiros! São tantos em “manada”,
Dispersos ou em fila indiana.
Não lutam, absolutamente, por nada;
É da sua (nossa) condição humana.
 
Dizem ámen a tudo. Tudo está bem.
Nunca se libertaram de Santa Comba Dão
E aceitam São Bento mais Belém.
Ao domingo mendigam a bênção.
 
O medo cresce nas pastagens e nos redis.
Os pastores, cães já não têm. Os lobos vis,
Roubam cada vez mais e mais a sua (nossa) lã.
 
Rebanho alinhado e manso à portuguesa.
Porque morreu no monte Catarina, a camponesa,
Se não há sol e pão para todos em cada manhã.
 
 

Aveiro, 06.02.2014

Publicado no Diário de Aveiro

 

 

 

 

 

 





sexta-feira, 25 de abril de 2014

ESTE PAÍS DE ABRIL









 
Foto retirada da Net




ESTE PAÍS DE ABRIL
Carlos Pereira

 

Este país de Abril que eu vivi
Cantando canções sem idade
Este país de Abril que eu ouvi
Gritando ao mundo liberdade

 
Este país de Abril que eu senti
Distribuindo cravos de igualdade
Este país de Abril que eu assisti
Exultando laços de fraternidade

 
Este país de Abril que eu sofri
Com tamanha falta de lealdade
Este país de Abril que eu aqui
Repudio a anunciada letalidade




Aveiro, 25.04.2014







VIAGEM




Foto de Carlos Pereira













25 de Abril
Neste dia, em homenagem singela mas muito merecida ao Dr. Mário Sacramento, (natural de Ílhavo, distrito de Aveiro) grande lutador anti-fascista, que sofreu as atrocidades dos algozes do regime, tomo a liberdade de postar este humilde poema.


VIAGEM
Carlos Pereira

Nunca o mundo necessitou tanto de um pulso amplo e sedutor
para granjear consciências indefectíveis no combate às mentes
preconizadoras do caos urbano.

Avança no caminho pedregoso que te destinaram.
Usa o galope da tua derradeira coragem na corrida desleal.
Submete a tua frágil capacidade de entendimento dos homens
a todos os deuses que encontrares.
Procura na estrela branca de um céu acabado de nascer
a equação do teu destino.
Forja um horizonte de alegria límpida como a claridade da água dos rios
que inundará as margens sedentas do atro tempo que nos consome.
Abriga-te numa caverna de silenciosos líquenes
e ouve a palavra nua, ávida de sóis,
que germinará em todas as pátrias.

Na tua viagem de retorno, assome ao terreiro da montanha mais alta
e promove um abraço colectivo de esperança entre os homens,
para que sejam apenas homens e não obreiros endeusados
de um universo vazio e estéril.



Aveiro, 10.03.2014
Publicado no Diário de Aveiro



 






quinta-feira, 24 de abril de 2014

RENASCER DE ABRIL



Foto retirada da Net




RENASCER DE ABRIL
Carlos Pereira
 
 
Este país que é o meu e o teu
Tem de novo o povo servil;
Tão depressa se esvaeceu
Aquele cravo vermelho de Abril.
 
Este país que é o meu e o nosso
Tem de novo o lobo a sair do covil.
E de repente cavou-se um fosso
Para ficarmos aquém de Abril.
 
Este país triste martirizado
Pelo garrote arrogante e vil
Do poder ufano incivilizado,
Jamais permitirá apagar Abril.
 
Este país que devia ser do povo
Despiu a farda e vestiu-se à civil.
Quarenta anos volvidos e de novo
A esperança no renascer de Abril.
 
 

Aveiro, 03.04.2014

Publicado no Diário de Aveiro








terça-feira, 22 de abril de 2014

RELEMBRAR ABRIL





Foto retirada da Net









          


             RELEMBRAR ABRIL
             Carlos Pereira


 
             Amanhã virei dizer-te aqui
             quanto te quero minha terra meu país.
             Não quero ver partir mais navios de ti,
             levando teus filhos a saudade e a raiz.


             Sossega meu peito e a minha voz
             num estreito abraço de irmão.
             Sê nosso mentor e dá a cada um de nós
             um cravo e um poema em cada mão.


             Entre Abril e um gesto puro
             há um frémito em todos nós.
             Num campo de trigo maduro
             há um país em que estamos sós.


             Em cada primavera tece gritos de poesia.
             Por cada recuo avança um sonho e tal.
             Estala os dedos e foguetes de alegria
             por cada Abril. Liberta-te Portugal!


            Maio florido! Cravo vermelho!
            Rubro sangue força d’ um povo.
            Ó meu país, não te quero velho
            ou adormecido. Levanta-te de novo.


                      Aveiro, 04.04.2014


     Publicado no Diário de Aveiro


 


 


 


 


 


 


 


 










        

           




 



 





 


 
 


 


 





















           


           

































segunda-feira, 21 de abril de 2014

UM AMOR SONHADO



Foto de Carlos Pereira




UM AMOR SONHADO
Carlos Pereira
 
 
Virás um dia qualquer, despida de ti,
Mostrar-me o interior das coisas perfeitas
E imperfeitas, como o tempo que não vivi,
Ou as minhas paixões insatisfeitas.
 
Mesmo efémero nunca o amor corrompi,
Ainda que só amasse com a alma as eleitas.
A todas as tormentas, ileso, sobrevivi,
E também às silentes palavras contrafeitas.
 
Se o amor compensar um amor perdido
Com outro amor por ti, belo e renascido,
Enxameando o meu coração de felicidade,
 
Sublimarei o teu nome em cada momento
Dos nossos dias. Tua pureza será alimento,
Para que a minha alma viva com alacridade.
 

 

Aveiro, 11.02.2013

 

 

 

 

 


domingo, 13 de abril de 2014

SONETO



Foto de Salete Pereira




SONETO
Carlos Pereira
 
Há quem lhe outorgue, por mérito, o epíteto
Da mais bela joia da literatura poética.
Para criá-lo, mais do que um golpe ou ímpeto,
É necessário arte burilada, sintética.
 
É muito mais do que catorze versos que arquitecto
Na construção de uma composição imagética.
Se na rima das quadras ao derradeiro terceto
Me empenho, descuro, a elegância da métrica.
 
Busco as palavras na recôndita arca da memória
E imploro a imprescindível ajuda das musas,
Para que os versos mereçam a vanglória
 
Que aos poetas é atribuída sem soberba ou vaidade.
Se porventura o meu poema não é mais purista, mil escusas
Suplico a quem o ler com um aplauso de humildade.
 
 

Aveiro, 16.02.2014
Publicado no Diário de Aveiro