CANAL DE SÃO ROQUE

CANAL DE SÃO ROQUE

Foto de Gabriel Pereira




domingo, 26 de dezembro de 2010

POETA NÃO SOU



Foto de Piedade Araújo Sol








      POETA NÃO SOU
        Carlos Pereira


Poeta não sou… e sê-lo;
É miragem de oásis.
Engenho; não vou tê-lo…
Se a arte não acompanha o lápis.

Mesmo assim, teimo e escrevo;
Palavras simples, irmanadas
Em abraços de ternura e enlevo;
Por minha alma pintadas.

Verso que de mim se aparta,
Num frémito pungente…
Se for para o céu; então que parta.

Para mitigar a dor de o sentir ausente,
Aos deuses rogo que me envie uma carta
De saudade… com uma estrela cadente.

                
                                
                        Aveiro, 06.04.2010   






sábado, 18 de dezembro de 2010

NESTE RIO DE MEMÓRIAS



Foto de Gustavo Martins




         NESTE RIO DE MEMÓRIAS
                    Carlos Pereira



Neste rio de memórias onde me deito
Num barco feito de vento e de nuvens;
Escuto a canção que tu cantavas,
Para que eu sorrisse e sonhasse.

Ouço a tua voz feita de pedaços de céu,
De estrelas, de palavras inventadas
Na imensidão dos teus sorrisos,
Para que eu vença a íngreme estrada.

Quero adormecer contigo por perto;
Envolto na suavidade do teu olhar
E nesse teu jeito de amar tão sublime,
Para que eu renasça em cada manhã.


                    Aveiro, 10.12.2010

sábado, 11 de dezembro de 2010

AI DE NÓS!



Fotos de Piedade Araújo Sol




                                                       
    AI DE NÓS!
 Carlos Pereira


                    Grão de areia
Grão de arroz
Canto de sereia
Ai de nós!

Vetustas pontes
Duros trilhos
Secam fontes
Ai dos nossos filhos!

Canto da cigarra
Formiga no lamaçal
Uva pouca, muita parra
Ai de Portugal!


       Aveiro, 04.12.2010

sábado, 4 de dezembro de 2010

AO POETA TUDO É PERMITIDO

Foto de Gustavo Martins




                  AO POETA TUDO É PERMITIDO
                                Carlos Pereira


Tudo é permitido ao poeta;
Fingir, amar, até mentir.
Não tem vocação de asceta;
Na contemplação o mesmo sentir.

Ao poeta tudo é permitido;
Finge preocupação com o porvir.
A palavra, seu bem mais querido,
Sustenta-o nesse seu fingir.

Prefere a curva à linha recta;
Aumentando, assim, o caminho
Do sonho e da ilusão suprema.

Do cupido, anseia a doce seta
Do amor que lhe dará ninho;
Onde o espera o mais belo poema.


               Aveiro, 12.10.2010




sábado, 27 de novembro de 2010

PESCADOR



Foto de Piedade Araújo Sol




                                              

              PESCADOR
                        Carlos  Pereira


Com secular sabedoria, afoiteza;
Porfias, honrado, o teu ganha-pão.
As redes em tuas mãos, com destreza;
Lanças, acompanhadas de oração.

De pé, junto à proa, em comunhão
Com o céu e o mar, igual firmeza,
Dos que em terra com devoção;
Rezam crentes, a mesma certeza.

Nossa Senhora dos navegantes, velai,
Pelo meu homem se o mar encapelar:
Ilumina-lhe o caminho duro para o lar.

Meus rogos, minhas preces, aceitai,
Em troca, dou-Te não prata ou ouro:
Dou-Te a alegria dos filhos, seu tesouro.


                   Aveiro. 02.11.2010


                           Publicado no Diário de Aveiro

sábado, 20 de novembro de 2010

O SONHO DE ABRIL



Foto de Gustavo Martins


             


                  O SONHO DE ABRIL
                       Carlos Pereira




Portugal, país de imemoriais tradições;
Nação gloriosa desde os anais da história,
Não chama nunca, aos que roubam, ladrões,
E transforma a derrota sempre em vitória.

Orgulhamo-nos do teu passado das descobertas,
Das odisseias cantadas pelo magnânimo Camões,
Mas nunca conseguimos sarar as feridas abertas,
E do padre Vieira não escutámos seus sermões.

O sonho de Abril esfumou-se em milhões de miríades!
A luta pelo poder e a guerra de interesses prevalecem…
O país tornou-se numa atarefada feira de vaidades,
Onde os menos afortunados, constantemente, padecem.

A corrupção é bandeira há muito instituída
Com o beneplácito dos sábios governantes.
A democracia cada vez menos conseguida;
Ignora o povo e torna-o pobre como dantes.


                         Aveiro, 26.02.2010       




            
          

sábado, 13 de novembro de 2010

CREPÚSCULOS VERMELHOS



Foto de Piedade Araújo Sol




      

         CREPÚSCULOS VERMELHOS
                      Carlos Pereira


                               Tenho sede de crepúsculos vermelhos!
Apaziguadores de corações doridos.
Tenho fome de auroras benignas
Em céus azuis e transparentes,
Que me aquecem o sangue
E renovam a lucidez da manhã.

Sossegam meus fantasmas velhos e relhos;
Tornam meus sonhos coloridos,
Debruados por fadas de mãos aquilinas;
Suavizam a dor d’ amores ausentes
Que o meu corpo anseia, exangue,
Por um luminoso e indolor amanhã.



        Praia da Barra, 17.08.2010











domingo, 7 de novembro de 2010

VAMPIROS



Foto de Piedade Araújo Sol




                                                   VAMPIROS

                                            Carlos Pereira
                                       



Julgava-os extintos, no mínimo moribundos, feridos de morte…
Mas não, eles aí estão como dantes, ávidos de sangue, malvados;
À espreita dos animais fracos, indefesos, que nunca têm a sorte,
Por uma vez que fosse, de serem eles os sugadores e não os sugados.

Já batem as asas, pela noite calada, como cantava o Zeca…
Estes monstros não alados já atacam durante a luz do dia;
Calmamente, devagar, sem precisarem de correr Seca e Meca,
Que à noite de pança cheia espera-os uma triunfante orgia.

Vêm de todo o lado, alvoroçados, usam as cores como camuflagem,
Mas não conseguem iludir-nos; conhecemos o seu ignóbil rosto;
Vamos combatê-los para que a sua extinção não seja uma miragem,
E dizer-lhes olhos nos olhos: somos nós quem irá beber o vinho mosto.

                                                                     
                                                              
                                                   Aveiro, 29.03.2010  



domingo, 31 de outubro de 2010

SONETO PARA TI



Foto de Gustavo Martins





               SONETO PARA TI
            Carlos Pereira
                                  

          

             Hoje vou dizer que te amo de maneira diferente!
             Vou sair pelos campos fora, colhendo flores…
             Ouvindo Bocelli, cujos versos o amor não desmente.
             Flores; para ti, singelas, perfumadas, de todas as cores.

             Por cada pétala, recebe um beijo sincero, terno,
             Minha amiga, cúmplice, dedicada companheira…
             O meu amor por ti será, infinitamente eterno!
             És o farol que me guiará para a vida inteira.

             Já ultrapassámos múltiplos escolhos, vicissitudes…
             Tenho sido abençoado pelos desígnios dos céus…
             Só anseio que os teus passos se confundam com os meus.

             Que caminhes sempre a meu lado: por favor não mudes 
             No que falta percorrer da estrada sinuosa da vida,
    Ainda que surjam agruras ou uma lágrima vertida.

      
                                                                     
                   Aveiro, 05.02.2010
      
                                                                                                                                                                                                                                                                                                    







                   


domingo, 17 de outubro de 2010

PROCURO



Foto de Piedade Araújo Sol








PROCURO
Carlos Pereira



Procuro durante a noite
Nos recantos da tua nudez;
Um lugar onde me acoite
E seja aceite por uma vez.


Na cristalina água
D’ um rio por inventar,
Se dilua a minha mágoa,
Se em ti não pernoitar.


Meu encanto em teu útero;
Seja semente deste amor
Tão puro, embora adúltero.


Do teu corpo quero o calor;
E tua cabeça em meu úmero
Me adormeça em terno langor.


Aveiro, 06.09.2010




segunda-feira, 11 de outubro de 2010

MULHER



Foto de Piedade Araújo Sol





MULHER
Carlos Pereira



Mulher que se despe
Mulher que te deste.
Não ouviste o mestre-escola?
-Quanto mais se vende
A alma e o corpo…
Mais na lama se atola.
Mulher que entregas
Teu corpo mutilado
Por promessas vãs
De um amor negado;
Teus dias jamais
Terão sol nas manhãs.



Aveiro, 10.05.2010





                                



domingo, 3 de outubro de 2010

O ESPAÇO E O TEMPO



Foto de Piedade Araújo Sol




O ESPAÇO E O TEMPO
Carlos Pereira



Entre o espaço e o tempo,
O átomo deu lugar à matéria;
Fez-se luz, desconhecidos infinitos;
O milagre da vida aconteceu.



Da pedra das trevas fez-se a noite.
Noite no silêncio das estrelas;
Na hera que trepa o muro
E quase abraça o universo.


A viagem de regresso;
É entre o futuro e o passado.
O presente é o fiel da balança


Que pesa as nossas angústias;
Tinge com mistérios insondáveis
A luz que inflama o novo dia.



Aveiro, 17.09.2010







       



quinta-feira, 30 de setembro de 2010

EGOÍSMO



Foto de Gustavo Martins





                         EGOÍSMO
                     Carlos Pereira
                     



 Neste vai e vem vertiginoso da vida…
 Deixamos, distraidamente, passar os anos
 Em correria louca, fúria desabrida,
 E não vemos o quão nos causa danos.

 Não prestamos atenção àquele amigo,
 Que dela, em altura adversa, tanto necessita.
 Pobres narcisistas olhando para o umbigo!
 Ignorando a criança que com fome grita.

 Não escutamos a música das ondas do mar,
 A melodia das aves no frenesim do alvorecer,
 Os conselhos dos velhos que têm para nos dar,
 Preferindo, insensatamente, fingir tudo saber.

 Desprezando a sua infinita sabedoria secular;
 Fechamo-nos na concha negra da arrogância…
 Mais importante que receber … é saber dar;
 Aquilo que não se possui em abundância.

 O egoísmo e a ambição corrompem as mentalidades;
 Transformando-nos em insaciáveis predadores,
 Capazes das mais atrozes e infames crueldades;
 Aniquilamos os fracos para sermos os vencedores.

                                           

                             Aveiro, 14.02.2010 






sábado, 25 de setembro de 2010

ÚLTIMO PATAMAR




Foto de Gabriel Pereira





ÚLTIMO PATAMAR
Carlos Pereira



Eis-me chegado
Ao último patamar;
Onde tudo é mensurável,
Escrutinado.
Para trás ficaram sombras
E horizontes de silêncio.
Estou de costas…voltadas para o mundo.
Não ouço o seu discurso gasto,
Esgotado.
Desta lonjura já só escuto;
As palavras lúcidas da montanha
Num murmúrio plácido e melancólico.



Praia da Barra, 12.07.2010